22 de jan de 2011

Troféus

Mais um cansativo e estressante dia de trabalho havia se encerrado pro jovem Arcanjo. Havia combinado durante a semana de sair com alguns colegas de trabalho pra conhecerem a nova choperia que havia sido inaugurada para relaxarem, bater um papo, esquecer momentaneamente a constante pressão de resultados, de reclamações de clientes chatos e rirem um bocado.
"Eu acho que vou experimentar esse chopp de menta... será que é bom? vc traz um pra mim por favor?" pediu o Arcanjo. Foi acompanhado do seu supervisor na curiosidade de experimentar essa novidade. Uma porção de fritas, algumas piadas internas, histórias engraçadas e depois de uma conta razoavelmente barata, era hora de cada um ali ir embora pra casa ou algum outro compromisso que já havia sido programado.
Chegando na sua nova casa, não havia ninguém, e resolveu ligar pro John. Mas para sua surpresa e decepção ao realizar a chamada a voz eletronica da gravação informava que aquele numero não existia? "Como assim não existe?!?! Eu falei com ele semana passada!", e tentou outras duas vezes... e a mesma mensagem. Tudo bem que na semana anterior tentou combinar de se encontrarem novamente, mas ficou aguardando em vão que pudesse ter uma resposta.
Irritado, acendeu seu cigarro, e quando a brasa chegou ao final, pegou uma toalha e desceu pra um banho.

Enquanto a água escorria por seus cabelos e pelo seu corpo, fechou os olhos enfurecido diante da possibilidade de mais uma vez a oportunidade de se envolver com um cara realmente interessante escorrer ralo abaixo como a água que escorria.

Em algum lugar dentro das muralhas de seu coração, o Arcanjo agora caminhava em direção a uma imensa galeria. Abriu as portas e dentre a luxuosa decoração daquele salão, caminhava lentamente observando os quadros que ali se encontravam. Criado por seu orgulho, aquele lugar agora era sua sala de troféus... Para cada um daqueles quadros, uma pessoa que de certa forma ao passar pela vida daquele jovem, acabou marcando de alguma forma... e como dizia seu orgulho, uma grande conquista. Um troféu.
Com um rosto sério olhava para cada um daqueles quadros, e a memória trazia novamente as lembranças dos momentos bons pelo qual passara. Algumas breves, outras nem tanto, algumas bastante intensas... Caminhou lentamente com uma nova tela que carregava em seus braços, encontrou um espaço e pendurou o retrato daquele brasileiro com nome estrangeiro. Afastou-se e observou por alguns instantes aquele moreno de estatura mediana, um corpo muito trabalhado, e um rosto lindo que não transparecia a razoavel diferença de idade entre ele e o Arcanjo. Dentre os demais retratos daquela galeria, era o unico com uma diferença de idade relativamente maior que a sua... "Pensei que esses oito anos a mais fossem fazer a diferença com relação ao modo de pensar.... mas pelo que parece eu devo estar enganado. Espero que não."
Virou-se lentamente e por uns instantes encarou na parede principal, o lugar de destaque uma imensa moldura vazia... Moldura essa que fora preenchida por apenas dois daqueles quadros que agora se juntavam aos demais. "Você tinha grandes chances de estar nesse lado da galeria..."

Abriu novamente seus olhos, pegou uma toalha e juntamente com os restos daquela água retirou aqueles pensamentos de sua cabeça... Secou-se, colocou um pijama, e desceu para a cozinha... e daquele momento a unica coisa que ocupava sua mente agora era prestar atenção com sua comida... e pro final de semana? "Já que não me restam muitas alternativas mesmo, o que me resta é terminar de ler aquele livro novo... E falando em livros, não venha com conversinha na segunda feira, Arcanjo... O senhor vai voltar a fazer academia... Hora de cuidar de melhorar a capa. Pois no conteúdo sei que você se garante."

2 comentários:

Fred disse...

Esses ralos que deixam as oportunidades escorrerem são um perigo mesmo... hehe! ótimo texto, man! Hugz!

Anônimo disse...

Há séculos não passava por aqui. Parabéns por se manter no ar tanto tempo. Sudações sul mineiras! rrrrr

 
;